No Quarto 666: Cinema e televisão, mídias antagônicas?

Não deixei de notar que o número faz uma clara referência à besta apocaliptica , e embora o quarto 666 tenha sido o palco de preocupações como as possibilidades de um provavel fim de um mundo – o Cinema –  tão importante quanto este plano em que todo mundo quase habita, não dá para pressupor que  Win Wenders  tenha planejado o peso desse significado como um sentido para além do de sua obra audiovisual .

Na verdade, deixando para um outro momento qualquer que seja a divagação na qual  este que redige com certeza embarcaria, vamos ao que interressa. O vídeo aqui linkado trata-se de um trabalho de Win Wenders onde ele entrevista renomados profissionais do meio Audio-Visual – para inseri-los em campos de atuação semelhantes – ou das linguagens Cinematográfica e Televisiva.

A premissa do trabalho era justamente ouvi-los e possivelmente traçar retratos de realidade pelas quais as duas mídias passavam, e eram realidades distintas embora decorridos 30 anos pode-se perceber que as impressões da época não estavam de todo acertadas e nem de todo equivocadas.

Falava-se em um Cinema que perdia terreno para a televisão e que esta era muito mais promissora e capaz de transmitir com mais eficiência as impressõpes de realidades e que mesmo a ficção da televisão era melhor  do que a do cinema assim como o de um cinema estava passando por uma má fase e que tudo resumia-se basicamente a isto, a superar uma fase ruim onde não estavam sendo produzidos bons filmes.

Ora, a dissociação de Cinema e Televisão pressupõe um abismo entre estes como se o cinema estivesse fadado a eternamente viver dentro de uma sala de projeção para a qual o espectador deverá sempre locomover-se,enquanto que a televisão deverá eternamente ser  um meio de difusão de conteúdo imagético e sonoro – ou audiovisual ou ainda cinematográfico – para o espectador. As reflexões do Quarto 666 prosseguem ainda hoje mas agora há mais mídias com as quais preocupar-se como a internet, vídeo e mesmo os games.

O que algumas vezes deixa de ser considerado é a especificidade destes meios e os pontos de convergência dos mesmos bem como suas similaridades. Assim você encontra Cinema quando vai a uma vídeoinstalação ou assiste a um documentário na televisão de tubo plugada em seu videocassete de tantas cabeças ou quando entra no YouTube porque antes de qualquer coisa lembremo-nos de que Cinema vem de Kinema, (visite o linque mas lembre-se de voltar para cá…) termo gregoque faz referência ao movimento, então pode-se aceitar que reproduções audiovisuais que nos fazem acreditar ter percebido um movimento  carregam a essência do Cinema senão o próprio em questão.

Abaixo o Room 666 , e as opniões de conceituados realizadores da televisão e do cinema, boa viagem!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: